Compartilhe
Ir em baixo
avatar
Mensagens : 277
Data de inscrição : 07/03/2018
Ver perfil do usuário

Os Cainitas de Istambul

em Ter Mar 13, 2018 5:26 pm


Sua Majestade, Mustafá, Príncipe de Istambul e Soberano do Império Otomano

Mustafá chegou em Istambul ainda jovem, aparentemente exilado do Egito. Sua ascensão ao poder foi rápida: no vácuo de poder deixado pela destruição de John Paleogolus, antigo Príncipe da cidade, o jovem cainita foi capaz de angariar o suporte dos clãs de Istambul - notadamente Assamita e Toreador - e assumir o trono em meio a uma situação caótica. O apoio dos dois clãs citados foi essencial no controle das rebeliões lideradas pelos Brujah e, como resultado, Mustafá declarou Caçada de Sangue a qualquer Fanático que habitasse na cidade. Embora os Assamitas tenham se oposto radicalmente à medida, por considerá-la excessiva, a ânsia dos Toreador em limpar a cidade da presença da "ralé" conduziu Mustafá ao decreto.

Mustafá é um homem de índole pacífica e filosófica. De fato, poucos sustentariam que um Cainita assim conseguisse liderar o Portão ao Oriente. Não obstante, vem executando um ótimo trabalho, em parte pelo fato de a cidade sofrer de pouquíssimos conflitos na atualidade. As más línguas dizem que todo o seu poder, na verdade, vem do Clã Toreador, que tem uma presença maciça em Istambul desde os tempos de MIchael, o Patriarca.



Vashtai, Progênie de Michael, Progênie de [Toreador].

Seguramente a cainita mais velha a atuar em Istambul, a Toreador Vashtai é progênie direta de Michael, antigo governante de Constantinopla em união com O Dracon e Antonius, O Galo. Vashtai está na cidade a incontáveis anos, operando continuamente para manter a glória e a importância de Istambul no cenário mundial. Sua relação com o Príncipe Mustafá é muito próxima e, alguns dizem, íntima. Vashtai é igualmente responsável por trazer os Assamitas para o lado legalista durante as Guerras Civis que seguiram a morte de Paleogolus. Contudo, jamais assumiu o trono de seu Senhor, alegando que Istambul necessitava de uma administração mais condizente com o espírito dos novos tempos.

Uma mulher belíssima e dona de uma das maiores coleções de arte privadas no mundo, Vashtai participa muito pouco das atividades da Corte. Seu refúgio é na região central de Istambul, próximo à Catedral de Santa Sofia, onde recebe seus visitantes e convidados. Apesar da idade, Vashtai é uma das cainitas mais acessíveis de Istambul, frequentemente reunindo-se com vampiros mais jovens para ouvir o que estes tem a dizer sobre a cidade. Sua progênie, Nakhshidil, atua como Primogênita representando o Clã da Rosa.



Ibn-Sayad, Líder do Clã Assamita

Ibn-Sayad é o responsável por coordenar todas as ações e decisões do Clã Assamita em Istambul. É um Membro relativamente velho, com um imenso senso de responsabilidade e adepto do mais profundo tradicionalismo islâmico. Suas ações são movidas, primariamente, considerando o bem estar do seu Clã e eventualmente aquele da cidade. Como os Assamitas particularmente parecem estimar Istambul, Ibn-Sayad mantém boas relações com aqueles que se consideram os governantes da cidade. Reconhece o Príncipe como aliado e os Toreador como um clã excessivo, mas compromissados. O símbolo desse reconhecimento é a sua atuação no Conselho de Primógenos.

Sayad parece conhecer profundamente os segredos de Istambul. Quando com seus companheiros de Clã, se refere a Mustafá como "O Quase Príncipe". Quando questionado sobre as razões de usar tal pseudônimo, Sayad ri e desconversa.



Agambios, O Mapeador.

Agambios conhece Istambul melhor do que qualquer vampiro da cidade. Este Ancilla Nosferatu chegou à cidade em meados do século XVIII, demonstrando já ser obcecado com a cidade. Com a autorização do Príncipe Mustafá, Agambios mapeou os antigos complexos romanos, detectando passagens e catacumbas até então esquecidas. Uma destas, localizada centenas de metros abaixo da cidade, é usada como local de reunião pelos Membros de Istambul. É ali que Agambios se senta orgulhosamente como Primogênito de Istambul, ciente dos seus serviços prestados à segurança de mais de um Membro da cidade.

Agambios é um apoiador incondicional do Príncipe Mustafá. Sua lealdade foi recompensada ao longo dos anos e o maior benefício recebido por Agambios foi o direito de gerar progênie, o que o fez no final do século XIX, Abraçando os gêmeos Amadeus e Maria Atioulous.



Carlo Ballestra, Progênie de Helena, A Armena, Progênie de Belisarius, Progênie de Antonius, Progênie de [Ventrue]

Ballestra vem de uma descendência ilustre. Como último descendente vivo de Antonio, O Galo, suas pretensões ao Trono poderiam até ser levadas em consideração. Carlo é o único a opor-se abertamente ao Príncipe, apontando suas falhas de caráter e sua submissão ao Clã Toreador. O Clã da Rosa o detesta, mas não toma nenhuma ação firme contra o Membro, dada a sua riqueza e influência, especialmente sobre os Ventrue de Istambul. Curiosamente, os membros do Clã Assamita, por qualquer razão, se recusa veementemente em aceitar contratos cujo objeto seja a existência de Carlo.

Alguns membros mais antigos observam, contudo, que Helena jamais Abraçaria alguém de fora do Império, menos ainda alguém de origem italiana. Não existem registros antigos de Ballestra nas compilações do Clã Ventrue, tendo seu nome surgido somente no final do século XVIII. Ninguém, entretanto, tem a coragem de apontar essas incongruências a Carlo Ballestra, que segue usufruindo da influência que lhe concede sua linhagem.

E o Sabá?

A Espada de Caim dispõe de autorização para mover-se e habitar os arredores de Istambul, considerando a política de portas abertas do Príncipe Mustafá: qualquer Membro que queira contribuir com a grandeza de Istambul é bem vinda. Os conflitos são poucos, e ambas as seitas tentam neutralizar rapidamente eventuais ameaças à sutil trégua entre facções. O líder do Sabá na região é um Tzmisce chamado Ivan Salatikov que mantém sob sua estreita supervisão cerca de cinco pequenos bandos, compostos de Membros dos mais variados Clãs.



Maria, A Negra

Os vampiros mais eruditos sussurram a história de um amor perdido. Segundo o relato, uma jovem escrava se apaixonou por um Membro, mas jamais foi Abraçada por ele. Ansiosa pela imortalidade ao lado de seu amado, procurou alguém que a pudesse trazer à Eterna Noite, somente para morrer em meio a um conflito sem sentido. Trazida de volta à vida, teria sido Abraçada por Infernalistas, e doutrinada a odiar seu antigo amante a quem, eventualmente, assassinaria.

Quanto desse relato é verdade e quanto é mentira permanece uma incógnita. O fato é que Maria é a assassina do Matusalém Michael, o Patriarca, e responsável pela destruição do seu Sonho de fazer de Istambul o Reino de Deus na Terra. Maria tem contra si um Caçada de Sangue permanente desde o século XIII, assim como o furor do Clã Assamita que não hesitaria em destruí-la se tivessem a chance. Qualquer Membro em sã consciência sabe que um cainita em tal situação jamais permaneceria em Istambul. Não obstante, há séculos relatos dão conta de avistamentos de Maria que se tornou uma espécie de bicho papão para os Neófitos mal comportados.[/center]
[/center]
Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum