Compartilhe
Ir em baixo
avatar
Mensagens : 96
Data de inscrição : 26/11/2017
Ver perfil do usuário

Re: Meca - A Honrada

em Sab Mar 24, 2018 7:57 am
Dázbov ouve atentamente as observações de Ahrmad e Ta-Urt. Em seguida, expressa seus pensamentos.

- Sou grato pelas informações adicionais. Não sei como administrarei meu tempo se precisar viajar até a Macedônia e Gália, mas encontrarei uma maneira de discutir com os dois governadores provinciais. Isso depende, evidentemente, da minha entrada em Roma, em que aspectos ela se dará. Como eu disse, é um assunto que eu preciso discutir com o meu clã.

Observa Ta-Urt.

- O tal Marcus Crassus pode trazer aportes interessantes à nossa causa. Se não diretamente, através de informações que nós talvez não tenhamos. Irei procurá-lo nas noites que virão.

Levanta-se, como se estivesse preparando-se para deixar o lugar. Antes, porém, dirige uma última pergunta aos interlocutores.

- No entanto, me admira a capacidade organizativa deste Julio Prestes. Diga-me, caro Ahrmad. O que sabemos exatamente sobre este cainita?
avatar
Mensagens : 90
Data de inscrição : 07/02/2018
Ver perfil do usuário

Re: Meca - A Honrada

em Dom Mar 25, 2018 6:53 pm
A quantidade de nomes Cainitas mencionados naqueles últimos minutos de conversa deixaram Qaphsiel desorientado. De fato, a política dos Membros tinha a peculiaridade de ser altamente complexa, tendo em vista que, ao contrário dos mortais, rivalidades e acordos podem ser extender por séculos. Era duro, mas o Arcanjo precisava admitir para si mesmo que Za’aphiel não o havia preparado para isso.

Além disso, havia a questão da magnitude geográfica do Império Romano. As províncias que acabaram de mencionar - Gália e Macedônia - eram elementos de histórias. Qaphsiel havia estudado sobre o tema, mas agora aquilo que aprendera em papiros se tornava algo concreto numa estratégia de guerra. Porém, com relação a este tema, o Arcanjo tinha sua curiosidade despertada. O mundo era maior do que Y’srael. Uma vez libertado o seu povo, Qaphsiel também estaria livre para explorar outros lugares. Lembrava que seu Mestre o Abraçou e treinou para que fosse um guerreiro na luta contra o sofrimento humano. Não estariam outros povos sofrendo, além do seu? Não deveria ele lutar para aliviá-los da dor?

Ao final da pergunta feita por Dázbov, Qaphsiel toma a palavra:

- Perdoem-me se estou me adiantando em tópicos que serão discutidos mais a frente, mas... Confesso que fico perdido diante das intricadas peças do tabuleiro romano. Também gostaria de saber mais sobre esses Cainitas que mencionam. Porém, existe outra questão sobre a qual quero discutir.

- Tendo em vista que estaremos separados e parte do meu papel será iniciar um levante contra os romanos nas terras onde tenho maior conhecimento, é importante que isso seja feito de maneira coordenada com as ações de todos. Como garantiremos nossa comunicação e coordenação quando todos nós estivermos separados? Mais do que isso: como garantir que espiões não utilizem a distância entre nós para subverter nossos planos?
avatar
Admin
Mensagens : 341
Data de inscrição : 25/11/2017
Ver perfil do usuáriohttp://terturiumdigital.forumeiros.com

Re: Meca - A Honrada

em Seg Mar 26, 2018 12:36 am
* Arhmad, o Kalif, caminha pela sala de forma circular, enquanto fala sua mão direita desliza por duas das sete espadas cravadas ao chão durante suas palavras*

- Juno Prestes. A sua pergunta é a grande questão, Dázbov de Ai-Petri. Mesmo meus espiões não concluíram um parecer sobre a real identidade daquele cainita.

- Digo real pois suspeito que este nome é apenas um engodo. Me parece muito improvável que um "ninguém" seja capaz de restabelecer os laços entre  Toreador e Ventrue, usando nomes de peso como o milenar Mithras ou de tamanha representação icônica como Helena. Além disso, ativamente contornou a crise dos grandes incêndios reconstruindo Roma e ganhando a confiança absoluta - e a cama segundo dizem - de Titus Venturus, tornando-se Conselheiro e deixando para trás aspirantes ao cargo que batalharam séculos por isso, como Lisandro, o Ventrue ao qual chamam de A Voz do Senado Eterno.

- Prestes é um mistério e uma preocupação para os nossos planos. Não conhecer o inimigo é uma falha de estratégia e, por hora, incorremos nesse erro.


* Ta-Urt acaricia uma das espadas, de forma bem peculiar enquanto toma a palavra*

- Me consta que Prestes surgiu quando a crise pelo desaparecimento de Miguel se abateu sobre roma. Irônico um Toreador surgir após o desaparecimento de outro e salvar a noite, não? Creio que nos cabe começar desse ponto. O que a falta de um tem haver com o surgimento do outro? Vivo a longa noite há tempo suficiente para saber que, com exceção daquelas que nós mesmos criamos, não existem coincidências.

* Ela olha Qaphsiel enquanto segura com mais firmeza a espada, fincada ao solo rochoso*

- Ora ora, finalmente uma questão relevante sobre o nosso planejamento que não envolva "meu povo" e "Y'srael". Fico tão contente quando eles crescem...

* Antes que a mulher egípcia pudesse continuar, Arhmad retoma a palavra em uma tentativa clara de manter a ordem*

- Eu possuo uma solução para mantermos a comunicação segura e rápida entre nós. Peço perdão se considerarem que cometi um erro, mas preferi dividir os grupos e reduzir os riscos que irei propor. Compreendo que será um pedido peculiar, mas igualmente necessário à causa.

* Ele retira quatro pequenos cristais, perfeitamente triangulares, de suas vestes. Segura um deles pela base e com a outra mão o gira, abrindo-o*


- Um dos nossos sábios praticantes de Dur-An-Ki, representante em nossas terras da casta dos feiticeiros, me presenteou com estes objetos que podem simular uma das habilidades mais proeminentes que a percepção cainita pode nos fornecer. Através destas pedras, poderemos nos concentrar em nosso aliado e - se a mente dele for receptiva - nos comunicaremos sem limitações de distância desde que cada um de nós possua um cristal.

* Ele segura as pedras, olha a todos e pondera*

-  Isto só será possível, contudo, se depositarmos uma gota de nosso vitae nos quatro cristais. Desta forma, cada cristal será preenchido com o sangue dos quatro e permitirá nossa comunicação.

* Ele segura as quatro pedras esbranquiçadas com a palma da mão estendida. Ta-urt olha a todos por um instante, parece esperar que os demais tomem a iniciativa*
avatar
Mensagens : 90
Data de inscrição : 07/02/2018
Ver perfil do usuário

Re: Meca - A Honrada

em Seg Mar 26, 2018 8:54 am
Qaphsiel olha para os cristais por alguns segundos. Ele esboça um singelo sorriso.

- Ora, ora. Alamut não se cansa de nos surpreender.

O Arcanjo continua olhando para os objetos na mão de Arhmad enquanto prossegue.

- Creio que também será importante manter contato perene com alguém da Frente da Guerra. Ao menos Dázbov deveria poder se comunicar diretamente com Odoacro. Confiar essa troca de informações à responsabilidade de meros batedores e mensageiros é perigoso. Imaginem se uma mensagem de Odoacro é interceptada enquanto Dázbov estiver dentro de Roma? Sua segurança estaria seriamente comprometida...

Desviando o olhar dos cristais para Ta-Urt, Qaphsiel abaixa a cabeça e coloca a mão sobre o peito, fazendo uma pequena reverência.

- Peço desculpas, Dama do Deserto, se minhas preocupações pessoais acabam por desviar o foco de nossa conversa aqui em Mecca. De fato, precisamos pensar de modo pragmático e estratégico. Porém devo confessar que isso é difícil quando poderosas são as motivações que nos trouxeram até aqui. Creio que Kalif Arhmad é movido por um senso de dever, enquanto Dázbov é motivado por amor, pertencimento e lealdade. O que me move é minha Fé...

Qaphsiel levanta a cabeça e fita Ta-Urt nos olhos.

- O que me faz pensar: quais são suas motivações, Ta-Urt? Por que quer derrubar Roma? Decerto que sua não-vida não deve ser movida pela simples sede de sangue e poder, pois creio que alguém tão nobre não se reduziria a isso.

O Arcanjo continua encarando a Ravnos por uma fração de segundo, quando move as mãos em um sinal de desconsideração e sorri.

- Enfim, prossigamos com o que importa. Apenas externei uma curiosidade que não precisa ser sanada.


Última edição por Qaphsiel em Seg Mar 26, 2018 11:50 am, editado 1 vez(es)
avatar
Mensagens : 96
Data de inscrição : 26/11/2017
Ver perfil do usuário

Re: Meca - A Honrada

em Seg Mar 26, 2018 9:03 am
Dázbov se preparava para responder, mas as considerações de Qaphsiel o fizeram calar por alguns instantes. Quando o Salubri terminou, o Deus de Ai-Pétri observou Ta-Urt por alguns segundos, mas não mudou sua expressão. Ao invés disso, fitou por alguns segundos os cristais nas mãos de Ahrmad.

- Eu concordo com Qaphsiel. Acredito que um destes instrumentos nas mãos de Odoacro será essencial para nossa empreitada. Não nego que em mim existe um certo receio, nosso Sangue é a marca de nossa identidade, de quem somos. Muito pode ser descoberto sobre nós usando uma simples gota de sangue. Acredito, contudo, que nossa atuação e objetivos conjuntos reduzem parte do risco de ter nossa Vitae num instrumento de um outro Clã.

Olhou para Qaphsiel por alguns instantes. Tinha aprendido, nas últimas noites, sobre a sensibilidade daquele Cainita. Imaginava que ele estaria começando a entender. Em sua mente, contudo, um estado de concentração começou a ganhar forma. Preparava-se para usar sua voz espiritual. Tudo dependeria, somente, de um outro movimento.
avatar
Admin
Mensagens : 341
Data de inscrição : 25/11/2017
Ver perfil do usuáriohttp://terturiumdigital.forumeiros.com

Re: Meca - A Honrada

em Seg Mar 26, 2018 2:05 pm
* Arhmad concorda*

- De acordo. Creio que tu deves manter contato com o líder da Frente de Guerra. Foi opção minha manter os cristais dentro do nosso círculo reduzido, justamente para diminuir os riscos de depositar nosso sangue em mãos alheias. Compreendo ser um pedido estranho e mesmo arriscado, mas acredito que a necessidade irá nos impor alguns sacrifícios nas noites vindouras.

* Ele morte o próprio polegar, depositando não mais que uma gota em cada um dos quatro cristais*

- Infelizmente, possuo apenas quatro destes. Um de nós ficará sem a comunicação através da feitiçaria. Me adianto, pois precisarei estar a par das informações para guiar as ações dos Espadas do Deserto e jamais proporia algo que eu mesmo não fosse o primeiro a fazê-lo.

*Ele estende dois cristais a Dázbov*

- Lembre-se que nos teus deve haver o seu sangue e também o de Odoacro, além dos nossos.

* Ta-Urt toma a palavra*

- Em virtude de minha ação portuária, posso ser informada de outras formas sobre a necessidade de interromper grãos ou tropas em momentos pontuais, portanto deixo os cristais para os Senhores que precisarão agir mais constantemente.

- E, Qaphsiel, Roma impõe tributos altíssimos ao meu povo nos deixando com migalhas daquilo que nós mesmos produzimos em nossas terras. Além disso, a posição de Governadora Provincial funciona apenas como um grilhão pesado e constante que limita minha liberdade. É de meu maior interesse ver Roma e os seus queimando e, perdoe as duras palavras, mas cada um de nós possui motivos tão fortes e suficientes quanto os teus. Tenha mais empatia.


* Arhmad apenas observa e aguarda que os demais prossigam com o depósito do sangue, se assim aceitarem*
avatar
Mensagens : 96
Data de inscrição : 26/11/2017
Ver perfil do usuário

Re: Meca - A Honrada

em Seg Mar 26, 2018 5:00 pm
Dázbov toma os dois cristais em mãos, mas ainda não os ativa. Observa por um tempo o último cristal em cima da mesa.

- Se me permitem opinar, eu acredito que ao cristal deva permanecer com a senhora Ta-Urt. As suas atribuições são, em certa medida, mais importantes que aquelas de Qaphsiel, e afetam o nosso plano como um todo. Se o Salubri falhar, os levantes de Odoacro e os enfrentamentos internos continuarão. Mas nossas capacidade de vencer são reduzidas sem o controle sobre o porto de Alexandria e eventuais navios que possamos usar.

Dázbov esperou uma resposta. Ao mesmo tempo, enviou a Samiel uma forte impressão mental.

- Ela recusará.
avatar
Mensagens : 90
Data de inscrição : 07/02/2018
Ver perfil do usuário

Re: Meca - A Honrada

em Seg Mar 26, 2018 6:06 pm
Qaphsiel coça a barba, pensativo. A mensagem que Dázbov lhe enviou pela mente deixava claro que estavam em uma disputa. Mecca poderia ser um território neutro que vivia sob um pacto de não-agressão mútua, mas isso não estava impedindo que outra espécie de luta se desenrolasse ali. Algo muito mais sutil.

- Dázbov tem razão. Meu papel na guerra que virá é o menos estratégico, ao menos por enquanto. Posso continuar agindo da maneira que sempre o fiz, ainda que em ritmo mais acelerado. Creio ser muito mais importante que a sincronia seja precisa entre aqueles que controlam mais recursos. Vocês três serão decisivos para que os planos sejam bem sucedidos.

O Arcanjo olha para Ta-Urt, novamente inclinando a cabeça levemente.

- Lamento que tenha sido mal-interpretado, Ta-Urt. Creio que me expressei de forma errada. Talvez porquê conheço o trabalho dos Filhos de Haqim e tenha conversado brevemente com Dázbov. Eu e você não tivemos oportunidade para nos conhecermos melhor. Eu não duvido dos seus motivos, apenas os desconhecia.
avatar
Admin
Mensagens : 341
Data de inscrição : 25/11/2017
Ver perfil do usuáriohttp://terturiumdigital.forumeiros.com

Re: Meca - A Honrada

em Ter Mar 27, 2018 8:52 pm
* A Dama do Deserto ouve as palavras de Qaphsiel e, com uma delineada sobrancelha erguida, simplesmente comenta*

- Roma, o odiado inimigo, tornou-se o que agora é por abraçar culturas e envolvê-las em seus domínios. Obviamente, incorporação através da força mas ainda sim incorporação e não exclusão. Me aborrece profundamente quando alguém se posiciona a favor unicamente dos seus e clama por sua dor pessoal enquanto todos os outros padecem de iguais - ou piores - condições. Esta causa é de todos os povos livres, ou que assim queiram se tornar.

* Ela encara Qaphsiel autoritariamente, do alto de seus um metro e sessenta e cinco*

- Esta é a minha posição e eu não tolerarei mais questionamentos acerca disso, Salubri.

* Era evidente o nervosismo da Ravnos. Suas palavras se sucederam à sugestão de Dázbov e, a passos firmes ela caminhou em direção à Arhmad, pegando ambos os cristais de sua mão. Mordeu o próprio indicador com suas presas sobressalentes e depositou uma gota em cada pedra, a seguir caminhou em direção à Dázbov que possui outros dois para fazer o mesmo processo. Arhmad apenas observou aguardando que todos cumprissem o necessário para que o ritual dos cristais de comunicação pudesse ser ativado.*

Devido a certeza de Dázbov e a dúvida de Qaphsiel sobre a real identidade de Ta-Urt, ambos estão mais atentos aos detalhes e percebem nos trejeitos da Dama do Deserto uma urgência e certa impaciência. Por isso, farão um teste para notarem algo a mais. Descrevam suas ações e indiquem ao final do post seus valores de Percepção e Empatia.
avatar
Mensagens : 96
Data de inscrição : 26/11/2017
Ver perfil do usuário

Re: Meca - A Honrada

em Qua Mar 28, 2018 10:16 am
Enquanto Ta-Urt se pronuncia, Dázbov somente a observa. O nervosismo da cainita estava se tornando evidente. As razões eram óbvias para o Deus de Ai-Pétri, mas Dázbov permanecia calmo e sereno, na tentativa de esconder os seus próprios conhecimentos. Involuntariamente concentrou-se em sua própria mente, tentando manter-se incólume diante de eventuais tentativas de acessá-la.

Quando a mulher realizou o ritual, depositando sua Vitae nos cristais que segurava Ahrmad, Dázbov, como num gesto automático, estendeu a mão na qual segurava as outras duas gemas. Sentia, no ar, a tensão, e sabia que se as coisas chegassem a um momento crítico, de enfrentamento, dificilmente ele e os outros conseguiriam vencer alguém que era um desafio para o próprio filho direto de Laza. Torcia silenciosamente, contudo, para que o nervosismo da "Ravnos" alcançasse níveis incontroláveis, de forma a tornar mais visíveis suas artimanhas. Encontrava algum conforto no pensamento de que as leis de Meca a impediriam de agir bruscamente contra ele e os outros.

- Vamos tentar manter algum grau de unidade, senhores. Tenho certeza que cada um dos presentes tem seus motivos para estar nesta empreitada. Alguns sentiram mais na pele a fúria dos romanos do que outros, mas todos nós estamos unidos em um intuito comum. Tenho certeza que Qaphsiel não quis ofendê-la, senhora Ta-Urt e francamente a vossa reação me parece ligeiramente exagerada. Talvez exista algo que te afete diretamente, algo do qual não temos conhecimento. Se for esse o caso, acredito que nos perdoará pelas nossas próprias preocupações. - Falou Dázbov, enquanto Ta-Urt se aproximava.

Dázbov tem Percepção 4 e Empatia 4.
avatar
Mensagens : 90
Data de inscrição : 07/02/2018
Ver perfil do usuário

Re: Meca - A Honrada

em Qua Mar 28, 2018 2:50 pm
Qaphsiel observou a reação de Ta-Urt com espanto e curiosidade. A postura que até então era altiva e provocadora se tornou nervosa. Ainda que a pergunta sobre as reais motivações da Ravnos tenha sido feita para provocá-la, o Arcanjo não imaginava que o resultado seria aquela mudança de atitude.

O nervosismo de Ta-Urt foi tão surpreendente para Qaphsiel que ele ficou se perguntando se talvez, e apenas talvez, ela não teria de fato ficado ofendida com suas provocações. Contudo, o Arcanjo ainda desconfiava. Ele havia sido sincero quando disse que, todos ali presentes, ela era a que o Salubri achava mais indecifrável. Uma outra dúvida que passou por sua mente foi se, caso não estivessem em Mecca, Ta-Urt teria sido ainda mais agressiva...

De qualquer forma, a estratégia relâmpago proposta por Dázbov acabava de falhar. Em seu ato nervoso, Ta-Urt depositara seu sangue em dois dos cristais. Qaphsiel optou por insistir em seu pedido de desculpas, continuando a observar as reações da Ravnos e evitando conflitos.

- Dázbov está correto, Dama do Deserto. Não é minha intenção ofender você ou qualquer dos presentes. Apenas fui sincero quando disse que não conhecia seus motivos, mesmo porque a mim não cabe conhecer tudo...

Qaphsiel tem Percepção 3 e Empatia 4
avatar
Admin
Mensagens : 341
Data de inscrição : 25/11/2017
Ver perfil do usuáriohttp://terturiumdigital.forumeiros.com

Re: Meca - A Honrada

em Qua Mar 28, 2018 10:35 pm
Teste de Percepção - Dázbov:
Em virtude de seu conhecimento sobre a farsa de identidade de Ta-urt, Dázbov jjá se mantinha atento e duvidava de todas as suas ações, por isso, lhe será atribuído uma Margem de Sucesso ( MS ) 2 - O que Significa que com dois ou mais sucessos, Dázbov conseguirá ver através das ações manipulativas de Ta-Urt. Além disso, devido a boa interpretação, Dázbov ganhará um Modificador de Interpretação (MI) 3.

Dázbov tem Percepção 4 + Empatia 4 + MI 3 = 11
Ta-urt tem Manipulação 5 + Ocultismo 4 = 9

Dázbov 11 - Ta-Urt 9 = 2 sucessos! Como Dázbov precisava atingir MS 2, obteve sucesso no teste.

Teste de Percepção - Qaphsiel:
Tomado pela desconfiança, mas ainda incerto se o falsário seria Arhmad ou Ta-Urt, Qaphsiel recebrá um MS de 3, o que significa que ele precisa de 3 ou mais sucessos para perceber o possível engodo nas ações de Ta-Urt. Além disso, por boa interpretação, Qaphsiel ganha MI, modificador de Interpretação 3 para seu teste.

Qaphsiel tem Percepção 3 + Empatia 4 + MI 3 = 10
Ta-urt tem Manipulação 5 + Ocultismo 4 = 9

Qaphsiel 10 - Ta-Urt 9 = 1 Sucesso! Como Qaphsiel precisava obter MS 3, falhou no teste.

* Para Qaphsiel, Ta-Urt demonstrou nervosismo exacerbado e isso pode ser um indicativo de uma grande mágoa infligida por Roma a ela ou, pior, a seu povo. Talvez a Dama do Deserto tivesse sofrido penas semelhantes as que foram impostas ao povo de Y'srael. Talvez ela mesma tenha sido escravizada pelos romanos antes de seu abraço. Talvez  haja inúmeras dores em seu peito. Talvez, ainda, seja um ódio pessoal contra algum membro relevante do Império Romano. Em qualquer caso, parece a Qaphsiel que ela tem tantos motivos para odiar o Império de Sangue quanto o próprio Salubri.


Dázbov, no entanto, nota o nervosismo exacerbado da Dama do Deserto e através dele uma falha em sua - até então - perfeita ilusão. Ao olhar a cainita morder o próprio dedo, os olhos aguçados e atentos do cainita do Ai-Petri perceberam uma das luzes alaranjadas do ambiente refletirem na face de Ta-Urt e, ao invés de pele, foi possível ver grãos de areia constituindo seu rosto. A imagem da Dama do Deserto continua sua ação naturalmente, indo até Dázbov e pegando os cristais para depositar seu Sangue. Novamente, a gotícula depositada perde o brilho carmesim aos olhos do cainita albino e se mostram como um pequeno aglomerado de areia e em uma fração de segundos assume novamente a aparência sanguínea.*
avatar
Mensagens : 96
Data de inscrição : 26/11/2017
Ver perfil do usuário

Re: Meca - A Honrada

em Qui Mar 29, 2018 12:16 pm
Dázbov observa Ta-Urt atentamente enquanto ela se movimenta. Sua percepção lhe havia revelado detalhes até então escondidos. Mas o que eles significavam? Ta-Urt era uma Setita, segundo Sarosh, então não era surpreendente que uma série de poderosas ilusões estivessem sendo aplicadas pela vampira. No entanto, percebê-las causou algum efeito no Deus da Montanha. Dázbov, contudo, permanece sereno. Seu plano tinha funcionado até então. Desmascarar Ta-Urt dependia de uma última conversa, e fazê-lo era essencial: não podia dar início aos movimentos com parte de seus planos sendo de conhecimento de uma cainita que fingia ser uma outra pessoa.

- Ótimo. Me encarregarei de entregar o outro cristal a Odoacro, de forma a mantermos a comunicação. Quanto a Qaphsiel, encontrarei um jeito de manter-me em contato contigo, não se preocupe. As artes das quais dispõem meu Clã me permite viajar longas distâncias em um piscar de olhos. Preciso estuda-las um pouco mais, contudo.


Ao mesmo tempo em que expressava estas palavras, Dázbov se concentrava. Sua mente insinuou-se sobre a de Ahrmad, como se pedisse autorização para contatá-lo. A mensagem era simples, mas com um sentimento de urgência.

"Preciso falar-te."


avatar
Mensagens : 90
Data de inscrição : 07/02/2018
Ver perfil do usuário

Re: Meca - A Honrada

em Sex Mar 30, 2018 8:30 am
Tudo estava avançando rápido demais, pensou Qaphsiel. Num intervalo de poucos segundos, ele havia provocado uma Cainita a ponto de ofendê-la demasiadamente, bem como cortado seu meio de comunicação direta com a Frente das Sombras. Se algo lhe servia de consolo era que seu sangue não circularia nas mãos de recém-conhecidos.

Qaphsiel continuava perdido. Sua única opção era observar Dázbov para seguir com o jogo. Esperava que o Lasombra tivesse mais informações e soubesse o que estava fazendo com elas. Ainda assim, o Arcanjo precisava de algum sinal, algo que não lhe deixasse flutuando em meio ao jogo político daqueles Cainitas ali reunidos.

Alternando seu olhar entre Dázbov, Arhmad e Ta-Urt, o Arcanjo usa sua Visão da Alma [Auspícios 2] para tentar compreender o que cada um dos seus interlocutores está realmente sentindo.

Qaphsiel tem Percepção 3 e Empatia 4
avatar
Admin
Mensagens : 341
Data de inscrição : 25/11/2017
Ver perfil do usuáriohttp://terturiumdigital.forumeiros.com

Re: Meca - A Honrada

em Ter Abr 03, 2018 7:41 am
* Dázbov busca a senciência de Arhmad através de seu dom das trevas e logo encontra uma porta aberta, ao menos para as camadas mais rasas, da mente daquele cainita*

- Prossiga, meu caro aliado.

* Respondeu mentalmente o Assamita, sem esboçar nenhuma expressão facial que denunciasse o início do silencioso diálogo.

Enquanto isso, Qaphsiel busca o maior entendimento daqueles que o rodeiam através da percepção de suas auras.*


Teste de Percepção da Aura - Qaphsiel:
Devido a boa descrição, Qaphsiel ganha um modificador de interpretação ( MI) de 2. A Margem de Sucesso requerida ( MS) para o teste é 2 e a Dificuldade padrão para Dázbov e Arhmad é 6, para TA-Urt, contudo, é um teste resistido contra a sua Manipulação + Ocultismo*

Qaphsiel tem Percepção 3 + Empatia 4 + MI 2 = 9
Dificuldade Padrão = 6

Qaphsiel 9 - dificuldade padrão 6 = 3 sucessos! Como a margem de sucesso requerida para o teste era 2, Qaphsiel obtém êxito no teste.

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Qaphsiel tem Percepção 3 + Empatia 4 + MI 2 = 9
Ta-Urt tem Manipulação 5 + Ocultismo 4 = 9

Qaphsiel 9 - Ta-urt 9 = 0 sucessos. Como a margem de sucesso requerida para o teste era 2, Qaphsiel não consegue ver a aura de Ta-Urt.

* Ao observar as auras de Dázbov e Arhmad, Qaphsiel percebe as seguintes nuances:

No cainita de Ai-Petri, a aura pálida e envolta com veios negras pulsantes reluz em azul escuro que denota desconfiança e, ao mesmo tempo, em violeta que denota excitação.

Arhmad por sua vez demonstra em sua pálida aura, também recoberta de veios negros, um tom vívido de amarelo que costuma estar presente naqueles com traços de idealismo forte

De forma intrigante, Qaphsiel não consegue vislumbrar a Aura de Ta-Urt.*
avatar
Mensagens : 96
Data de inscrição : 26/11/2017
Ver perfil do usuário

Re: Meca - A Honrada

em Qui Abr 05, 2018 4:38 am
Mantendo-se impassível nos últimos instantes da reunião, Dázbov enviou as palavras para Ahrmad.

"Posso ter-me enganado. Mas minha percepção detectou algo incomum em relação à Senhora Ta-Urt. Quando depositou seu sangue no cristal foi como se uma textura estranha surgisse em sua pele, como a aparência das areais do deserto. Minha intuição já havia me indicado algo estranho em relação a ela. Não quero ser leviano e fazer afirmações, contudo. Seria útil que seus feiticeiros controlassem o Sangue depositado nos cristais, numa tentativa de confirmar que ela é quem diz ser. Seria mais interessante que isso fosse feito antes que ela deixasse a região, uma vez que se houver algo de errado nossos planos não caiam em ouvidos indesejados."


Na mensagem, Dázbov emitiu um certo senso de urgência, assim como a lembrança exata do que havia visto quando Ta-Urt depositou o Sangue no cristal. A lembrança também foi enviada rapidamente a Qaphsiel, como um flash, um lampejo, mas que permitia ao Salubri compreender que era oriunda de Dázbov. Depois, esperou.
avatar
Mensagens : 90
Data de inscrição : 07/02/2018
Ver perfil do usuário

Re: Meca - A Honrada

em Qui Abr 05, 2018 8:22 am
Qaphsiel se surpreende com o fato de não conseguir ler a aura de Ta-Urt. Tratava-se de algo raro, tendo em vista que sua leitura das impressões que vampiros e mortais deixam em suas almas não costumava falhar. Isso significaria que iria continuar no escuro com relação à Ravnos.

Quando sente a tentativa de comunicação vinda de Dázbov, Qaphsiel a recebe. As imagens são absorvidas em sua mente e um sentimento de indignação começa a lhe invadir. Ele faz o possível para que a sensação não seja transparecida para os outros.

Trapaceira.

Como suspeitava, Ta-Urt estava fazendo jús à reputação de seu clã, aplicando ilusões para perseguir seus objetivos escusos, sejam eles quais forem. Isso precisava ser comunicado à Arhmad de alguma forma. Mas...

o Arcanjo olha de soslaio para o Assamita. Por mais que acabara de descobrir algo estranho sobre Ta-Urt, ainda não tinha certeza se era ela a quem Dázbov havia se referido antes de começarem esse encontro. Naquele momento, não tinha como saber se a ilusão da Ravnos era só uma forma de se proteger de Cainitas poderosos e até então desconhecidos por ela. Entregar-lhes o próprio sangue era algo que nem Qaphsiel se sentiria confortável em fazer.

A prudência exigia que o Arcanjo aguardasse os próximos minutos. Ele precisaria conversar individualmente com Dázbov para decidir como proceder.
avatar
Admin
Mensagens : 341
Data de inscrição : 25/11/2017
Ver perfil do usuáriohttp://terturiumdigital.forumeiros.com

Re: Meca - A Honrada

em Qui Abr 05, 2018 8:46 pm
* As palavras de Dázbov alcançam a mente de Arhmad, sem que sua voz precisasse se erguer. O Assamita, ao ouvir o conteúdo da mensagem, inicia uma expressão facial de raiva que se esvai rapidamente. Ele parece conter-se antes que sua linguagem corporal entregue o diálogo travado entre as mentes conectadas pelo dom das trevas do cainita de Ai-Petri.

Usando da ligação telepática, o homem com barba delineada e pele em ébano brilhante o responde, mantendo o semblante calmo de outrora*


- Tuas palavras atingem-me como uma lâmina afiada, Dázbov. Se o que dizes for verdade, não por tua má fé mas por ainda não possui plena certeza, a minha falha deverá ser punida nas noites a seguir. Eu os convoquei e escolhi para o Conclave. Se Ta-Urt esconde-se em meio a ilusões em um momento crucial no qual depositamos nossa confiança em aliados, é a demonstração de que falhei ao selecioná-la para compor a nossa causa. Eu possuía informações discrepantes sobre esta cainita...mas escolhi relevar pela causa.

- Temo, contudo, que não poderei atender à vossa solicitação. Não há feiticeiros de meu clã em Mecca. Os cristais me foram dados por um dos nossos mais proeminentes que permanece na Montanha, de onde raramente se desloca. No entanto, peço que confies em mim na ação a seguir e me apoie, custe o que custar.


* Ele direciona o olhar à Qaphsiel e, meneando levemente e quase de forma imperceptível a cabeça, bradou palavras oriundas de sua voz erguida que ecoou pelo salão*

- Há um traidor entre nós. Se não em ações, em intenções. E eu...

* Silêncio se abateu sobre o salão refletido em laranja pelas luzes das chamas inseridas nas paredes, quebrado apenas pelo olhar incrédulo de Ta-Urt e o som do desembainhar da espada de Arhmad que, no processo, o fez arrastando contra o antebraço que segura a bainha em sua cintura, cobrindo o fio com seu vitae antigo, espesso e escuro*

- ...Não tolero traidores!

* Sua espada desceu violentamente em direção à Ta-Urt, de cima para baixo, rasgando o corpo da cainita em dois.

Somente para que os presentes vissem areia do deserto esvoaçar para os lados e cobrir o chão e uma gargalhada estridente e feminina se fizesse presente*

- Hahaha! Crianças da noite...descobriram-me, então? Ah...a presença do segundo filho de Laza, que degradante. Ainda sim, Sarosh partiu e me deixou a brincar com seu descendente....que cruel.

* A voz ecoava, vindo de todos os cantos e de nenhum*

- Dizem que há um pacto nesta cidade. Creio que a punição não se abaterá sobre mim se eu não estiver presente...não é mesmo? MORRAM, REBELDES! SINTAM O PESO DA MÃO DE ROMA!

* As areias antes imóveis no chão se erguem e começam a constituir uma figura serpenteante que, rapidamente, se ergue como uma imensa Naja cor-de-areia que alça cerca de quinze metros de comprimento e cinco de altura, quando erguida. A criatura levanta seu dorso em típica posição de bote e balança levemente de um lado para o outro, seus imensos olhos são negros e profundos e suas presas, duas delas, são do tamanho de uma cimitarra curva. Negra e gotejando algo que se assemelha a piche. A voz estridente de Ta-Urt se vai e apenas o sibilar da língua bifurcada da criatura se faz ouvir.*

Teste de Iniciativa - Grupo:
Os jogadores devem postar seus valores de Destreza + Raciocínio, com interpretações apropriadas para garantir melhor MI, para que seja determinada a ordem de iniciativa.
avatar
Mensagens : 96
Data de inscrição : 26/11/2017
Ver perfil do usuário

Re: Meca - A Honrada

em Sex Abr 06, 2018 6:18 am
Quando Ahrmad começou a responder, Dázbov sabia o que seguiria. Seu corpo automaticamente se retesou, preparando-se e antecipando-se à violência que viria. Acompanhou atentamente o desembainhar da espada e observou Ahrmad cortar o próprio antebraço, as lendas sobre os Assamitas se fazendo verdadeiras diante dos olhos admirados do Deus de Ai-Pétri. Quando a espada cortou o ar e, posteriormente, o corpo de Ta-Urt, Dázbov instintivamente se afastou e apertou os olhos. Diante do sarcasmo da Setita e de sua sentença de morte, Dázbov entendeu que pouco ou nada poderia ser feito. Àquele momento, não se importava com pactos e maldições. Havia de sobreviver, como sempre havia feito e, quando a imensa serpente se apresentou ameaçadoramente aos cainitas da sala, o Deus Branco se pôs em posição de combate, ainda que estivesse desarmado.

Fixou os pés no chão de barro, com as pernas entreabertas, erguendo os punhos em posição de combate desarmado. Concentrou-se e através de sua vontade e fez a poderosa Vitae correr, em direção aos seus braços e ao seu tórax. Sentiu a pele corar-se com o fluxo sanguíneo, o calor da batalha a escorrer pelos seu membros poderosos. Os olhos, azuis como o oceano, passaram velozmente por Qaphsiel e Ahrmad e o Lasombra desejou que seus companheiros fossem melhor combatentes do que ele. Dázbov não se recordava da última vez em que havia estado em um combate. Não obstante, estava pronto para aquele.


*Dázbov usa seis Pontos de Sangue para adicionar dois pontos em cada atributo físico, o que resulta em Força 4, Destreza 4 e Vigor 5*

*Sem utilizar o Sangue, Dázbov tem Destreza 2 e Raciocínio 3*
avatar
Mensagens : 90
Data de inscrição : 07/02/2018
Ver perfil do usuário

Re: Meca - A Honrada

em Sex Abr 06, 2018 11:30 am
O discreto olhar dirigido por Arhmad foi suficiente para deixar Qaphsiel com o corpo tenso. Instintivamente, levou sua mão ao cabo da espada curta que estava em sua cintura. Antes mesmo do Assamita se pronunciar, toda a confusão perturbava o Salubri naquela reunião se dissipou.

Quando a espada de Arhmad cortou o ar e atingiu o corpo de Ta-Urt, Qaphsiel já havia sacado sua arma, ficando pronto para o combate. Não esperava, contudo, presenciar o que estava prestes a acontecer.

A voz desincorporada e a nuvem de areia já teriam sido suficientes para que um frio macabro percorresse sua espinha. Mas foi a monstruosa serpente de areia que o desestabilizou. Seus olhos acompanharam com incredulidade os grãos que foram se unindo sobrenaturalmente, subindo no ar e serpenteando como se fossem vivos.

Por Yahweh, que diabrura é essa?

Foi ao olhar para os lados e ver Arhmad e Dázbov que Qaphsiel se recobrou. Com sua espada em punho, o Arcanjo se posiciona entre o Lasombra e a monstruosidade, tentando manter uma linha paralela com o Assamita. Ele fecha os olhos por uma fração de segundo, concentrando para que seu sangue se ativasse.

Ao abrir os olhos, seu terceiro olho emite uma luz rubra, da cor do pôr-do-sol. O calor e a luz começam a emanar pelo resto de seu corpo, conforme o poder do seu sangue se espalha. Enquanto é tomado pela força da Armadura da Fúria de Caim [Valeren 4], Qaphsiel recita em voz baixa:

- Criador do Universo, mais uma vez um soldado do Povo de Y’srael vem a Ti em humildade para orar por Sua ajuda. Peço que tenha piedade de mim e me ajude a proteger nosso povo e nossos aliados, com as mãos limpas e um coração piedoso. Dê-me forças para seguir em Seus caminhos, aqueles da Justiça e da Verdade. Ponho minha existência e Tuas mãos.

Fé e Guerra. Finalmente, o Arcanjo voltava aos seus domínios.

Qaphsiel tem Destreza 4 + Raciocínio 3
Para ativar a Armadura da Fúria de Caim, Qaphsiel tem Vigor 4 + Armas Brancas 5
avatar
Admin
Mensagens : 341
Data de inscrição : 25/11/2017
Ver perfil do usuáriohttp://terturiumdigital.forumeiros.com

Re: Meca - A Honrada

em Seg Abr 09, 2018 8:45 am
* O sibilar da imensa língua bifurcada daquele serpente arenosa cortava o ar em um som incômodo e quase doentio. Os olhos fendados e fixos em suas presas desejavam seu sangue como um vampiro o faz com o vitae dor mortais.

Foi somente uma brisa, ainda quente, oriunda das areias desérticas em torno de Mecca que transpassou os que se preparavam para o combate e o iniciou.*


Teste de Iniciativa - Ordem de ações:
A Serpente tem Destreza 5 + Raciocínio 2 + MI 2 ( Padrão para NPcs) = 9
Arhmad tem Destreza 4 + Raciocínio 3 + MI 2 ( Padrão para NPcs) = 9
Qaphsiel tem Destreza 4 + Raciocínio 3 + MI 3 (boa descrição) = 10
Dázbov tem Destreza 2 + Raciocínio 3 + MI 3 (boa descrição) = 8

* Ao notar a Imensa Serpente recuar a cabeça somente para preparar o seu mortal bote, Qaphsiel se mostra mais veloz que os demais e agirá primeiro já envolto no poder do sangue que seu Dom das Trevas invoca, seguido por Arhmad que conseguiu por muito pouco se adiantar ao ataque que clama por sangue do monstro de areia à sua frente. A serpente agirá após os dois cainitas e Dázbov, atrás de Qaphsiel que o protege com sua postura combativa, será o último no curso de ação.*

Qaphsiel deve descrever sua ação para que lhe seja atribuído o MI de acordo, em seguida, descreva seus valores de Destreza + Armas Brancas.
avatar
Mensagens : 90
Data de inscrição : 07/02/2018
Ver perfil do usuário

Re: Meca - A Honrada

em Seg Abr 09, 2018 11:53 pm
Em poucos segundos, a luz rubra espalhou-se por todo o corpo de Qaphsiel, enquanto seu terceiro olho brilhava como o pôr do sol. Ele fitava a imensa serpente de areia com resolução.

O Arcanjo novamente se concentra, dessa vez para tornar-se ainda mais rápido [Rapidez 1]. Com a espada curta na sua mão direita, ele rapidamente cobre a distância que o separava da monstruosidade.

Aproveitando o impulso de seu ágil movimento, o Salubri desliza no chão de areia, enquanto levanta seu braço para que a ponta de sua espada possa golpear a base do pescoço da serpente. Qaphsiel vê o movimeno em câmera lenta. O poder do seu sangue é concentrado em seu terceiro olho. O movimento do braço é feito com precisão, a lâmina entra com precisão, como se o Arcanjo entrasse em um fluxo onde ele sabia exatamente o que fazer. Um golpe infalível: a Vingança de Samiel [Valeren 5] .

[Qaphsiel tem Destreza 4 + Armas Brancas 5. Ele gasta 1 pto de sangue para ativar sua Rapidez e 3 ptos de sangue para ativar a Vingança de Samiel]
avatar
Admin
Mensagens : 341
Data de inscrição : 25/11/2017
Ver perfil do usuáriohttp://terturiumdigital.forumeiros.com

Re: Meca - A Honrada

em Ter Abr 10, 2018 8:23 am
Sistema :
Qaphsiel possui níveis o suficiente para ativar a Disciplina Valeren de nível 5 sem a necessidade de empregar o sistema. Dessa forma, suprime-se também a necessidade de calcular o ataque, visto que um dos efeitos da disciplina é o acerto inevitável. Calcularei apenas para determinar os sucessos adicionais que entrarão no dano.

A Margem de sucesso para Qaphsiel, muito habilidoso em combate, é 1.

Qaphisiel tem Destreza 4 + Armas Brancas 5 + Rapidez 1 + MI 3 = 13

Tudo é considerado sucesso por conta da Vingança de Samiel.

Qaphsiel 13 Sucessos! Entrarão 12 sucessos adicionais no dano.

Dano - Qaphsiel:
O Arcanjo possui Força 3 + 4 ( Cimitarra ) + 12 sucessos adicionais do ataque = 19.
A Serpente possui Vigor 4 + Fortitude 2 = 6

Qaphsiel 19 - Serpente 6 = 13 Sucessos! Qaphsiel desfere um corte profundo no torso da Serpente e quase a parte em duas!.

* O salão, antes amarelado, ganha um aspecto carmesim. A luz rubra se projeta do terceiro olho na testa do Salubri que se abre como um facho de luz e justiça que atinge o monstro de areia serpenteante. Qaphsiel move-se velozmente e com a habilidade distinta de um homem de armas realiza um corte em arco superior que, aos olhos dos que assistem, deixa um rasto luminoso em vermelho até atingir com precisão a base da imensa cabeça da serpente.

Areia é dispensada para todos os lados, arrancando uma parte do torso da monumental cobra, quase dividindo-a em duas somente para revelar um terror ainda maior. O buraco formado pelo golpe de Qaphsiel revela um corpo humano preso nas areias densas que formam o corpo da serpente. Estava em posição da maior punição que os Romanos conferem aos infratores, a da crucificação. Os braços abertos desapareciam imersos na areia que constituía o torso do monstro, apenas seu peito e face eram revelados, em aspecto arenoso, saltando para fora pela fenda causada por conta do ataque de Qaphsiel.

O rosto, embora desacordado, era reconhecível e dolorido aos olhos do Salubri. Preso no interior do monstro, estava Caleb.

Arhmad se lançaria ao ataque em seguida mas travou os pés na areia antes do avanço definitivo, ao ver o homem preso por baixo das escamas de areia. O reconheceu como o acompanhante do Arcanjo e, atônito, olhou em direção à este como se buscando uma aprovação para atacar.

Sua hesitação não passou incólume, a Serpente recobrou-se do duro golpe com a areia antes dispersada pelo ar retornando aos poucos à seu horrendo corpo e avançou - impiedosa - contra o Assamita que desviou o olhar de seu oponente por um breve momento.*


Ataque Serpente:
A Margem de sucesso para que a Serpente acerte Arhmad é 2, visto que o Assamita é mais rápido que ela.

A Serpente possui Destreza 5 + Briga 4 + MI padrão 2 - 5 ( penalidade) = 6
Arhmad possui Destreza 4 + Armas Brancas 4 + Rapidez 3 + MI padrão 2 - 2 (distraído) = 11

Serpente 6 - Arhmad 11 = 0 sucessos! A Serpente falha ao tentar acertar o Assamita


* Embora tenha se distraído, Arhmad é mais veloz e salta para a esquerda frente ao bote mortal da serpente que crava as presas no chão arenoso e as retira em seguida, retomando sua postura ofensiva. Os combatentes notam que do ponto no qual os imensos dentes da serpente fincaram-se um líquido negro e pegajoso brota leve mas constantemente.

O Corpo de Caleb permanece preso ao torso da serpente, como se tivesse sido crucificado no interior daquelas areias, ainda desacordado. A voz estridente de Ta-Urt corta novamente o ar, vinda de todas as direções.*


- Vamos, Salubri...mate o seu próprio homem! HAHAHAHA

* A Serpente sibila e serpenteia, erguendo-se em sua monumental forma. Dázbov, atrás da figura imponente de Qaphsiel, encontra uma brecha para a sua ação.*

Dázbov deve descrever sua ação e postar seus respectivos valores do teste que se seguirá.
avatar
Mensagens : 96
Data de inscrição : 26/11/2017
Ver perfil do usuário

Re: Meca - A Honrada

em Ter Abr 10, 2018 9:29 am
O combate ocorria em uma velocidade estonteante. Dázbov assistiu, atônito, enquanto a espada de Qaphsiel abria caminho em meio à "carne" da serpente. Quando o homem que estava crucificado dentro da monstruosidade foi revelado, o Deus da Montanha praguejou em sua língua materna. O horror proporcionado por Ta-Urt era demasiado. Demonstrava, mais uma vez, a necessidade absoluta de destruir Roma. Como poderia um Império governado, em partes, por alguém como ela, ousar falar de paz e ordem? Não, aquela abominação deveria ser destruída assim como, posteriormente, a abominação que se tornara Roma.

Dázbov assistiu enquanto Ahrmad desviava do ataque da monstruosidade. Depois, observou seus aliados. Por um instante, se despediu do Deus Branco da Montanha. Deveria se tornar a encarnação do frio e da morte, a face obscura de Dázbov, aquela que era temida pelos seus seguidores. E assim o fez.

Fechou os olhos e conectou-se com as Forças Ancestrais que regiam seu Sangue. Sentiu o Abismo envolvê-lo, de dentro para fora. Dázbov, o Branco, não existia mais. Havia invocado o poder de Czernabog, o Deus Obscuro. Seu corpo pálido deu lugar a vácuos de profunda escuridão. Seu rosto desapareceu, envolto em uma inexistência profunda. Do seu torso, surgiram quatro tentáculos que se agitavam incessantemente, como se exigissem um tributo pela sua manifestação no mundo físico. Dázbov gritou, não em razão de dor, mas por permitir, depois de tantos anos, que sua Ancestralidade se manifestasse. A Metamorfose Negra (Tenebrosidade 4) era completa.


Dázbov tem Manipulação 4 e Coragem 4 para invocar a Metamorfose. Os tentáculos terão seu valor de Força e Destreza, ou seja 4 para ambos os atributos, somados à Potência de Dázbov, que é de 2.

O Deus Negro abre caminho, velozmente, por entre Qaphsiel e Ahrmad. A mente de Dázbov estava e, ao mesmo tempo, não estava ali. Ele era apenas parte de um todo muito maior, parte de uma Força que tomava seu corpo e que agia através dele. Os quatro tentáculos chegaram antes do cainita, envolvendo o torso da serpente, mantendo-a estática. Eram como redes que prendiam o Deus Negro à monstruosidade, deixando-os frente à frente. O Deus Negro ainda murmurou, mas suas palavras não podiam ser ouvidas. "Não és nada", disse, antes de desferir um soco no torso exposto da serpente.

Dázbov tem Destreza 4 e Briga 2.
avatar
Admin
Mensagens : 341
Data de inscrição : 25/11/2017
Ver perfil do usuáriohttp://terturiumdigital.forumeiros.com

Re: Meca - A Honrada

em Ter Abr 10, 2018 8:38 pm
Teste de Ataque - Dázbov:
O Lasombra precisa de uma Margem de Sucesso 2 para acertar a Serpente.

Dázbov possui Destreza 4 + Briga 2 + MI 3 ( boa interpretação) = 9
A Serpente possui Destreza 5 + Briga 4 + MI padrão 2 - Penalidade por ferimentos 5 - penalidade por estar presa aos tentáculos 2 =4

Dázbov 9 - Serpente 4 = 5 Sucessos! Dázbov acerta o oponente e como a MS era 2,  entram 3 sucessos adicionais ao dano.

* Dázbov transmuta-se em um ser enegrecido sobrenaturalmente envolto em quatro grandes tentáculos obscuros que escalam a monstruosa serpente e a envolvem, restringindo seus movimentos, ao mesmo tempo o Lasombra desfere um poderoso soco no torso da Serpente e, no processo, tem um terrível vislumbre.*

Teste de Dano - Dázbov:
O Lasombra tem Força 4 + Potência 2 + Sucessos adicionais 3 = 9 sucessos!
A Serpente possui Vigor 4 + fortitude 2 - 5 Penalidade por ferimentos  = 1 Sucesso!
Dázbov 9 Sucessos - Serpente 1 Sucesso = 8 Sucessos de dano contusivo! Por ser dano de contusão, a besta toma de fato metade do dano, 4 pontos contusivos!

obs. A penalidade por estar segura pelos tentáculos não entra na absorção, viso que isso seria função de outro poder de nível dois de tenebrosidade.

*A mão pesada de Dázbov acerta em cheio o corpo do monstro de areia e, confirmando o receio e suspeita de Arhmad ao interromper seu próprio ataque assim que viu o mortal preso no monstro, o corpo de Caleb regurgita uma quantidade considerável de sangue. Ele se debate como se entrasse em convulsão. O Lasombra, e apenas ele por sua proximidade, nota que imediatamente o corpo do mortal se torna mais pálido ao passo que a Serpente tem a areia despejada pelos golpes sofridos retornadas a seu corpo rapidamente.*

Sistema: Um novo turno, com a mesma ordem de iniciativa, se inicia. Qaphsiel deve descrever sua ação e colocar seus respectivos valores para testes, se for o caso.
Conteúdo patrocinado

Re: Meca - A Honrada

Voltar ao Topo
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum